5 de mai de 2013

A ARTE DE LER ORALMENTE E DE CONTAR HISTÓRIAS


                                                                    Jorge Silva Sousa*

“[...] a arte de ler oralmente e de contar histórias. As histórias refletem a expressão artística e o imaginário de uma pessoa, uma comunidade ou um povo. Assim, ler e contar oral e expressivamente são artes próximas do teatro”. (Elias José)

Segundo o autor a arte de contar História é tão antiga quanto o homem, e ainda hoje é pouco trabalha nas escolas, por isso seria interessante que as escolas abrissem suas portas, deixar entrar nelas programas e muitas histórias, lida e contadas. Pois, “pela palavra falada e pelo poder da narrativa, estimulamos uma educação dialógica, lírica, poética e lúdica. As Histórias deixam de ser patrimônio pessoal de quem lê ou conta e de quem ouve; passa a ser patrimônio cultural da humanidade” (p. 57). Ouvir e contar história são envolventes e saudáveis para nossa vida. Por isso é importante colocar em prática.
Acredito que há várias formas de ouvir e contar histórias, todas muitas importantes, sendo a arte de ouvir uma das mais importantes, porque do ouvido, surge o interesse das crianças pelas histórias escritas. E a partir desse interesse ela começa e aventura pelo mundo da leitura e da escrita. “A narrativa é uma arte que diverte, educar, ensina, desperta a criança para o espírito ético, para a verdadeira cidadania e, sobretudo, estimula a leitura literária. Mas tudo isso acontece de forma indireta, simbólica, num tom didático e discursivo” (p. 60). Por isso a história criada pelo homem tem o poder mágico de liga à pessoa pelo fio da narrativa. Numa história o homem sai da realidade, sorrir e imagina coisas possíveis e apenas vividas nos sonhos, na fantasia, na poesia e na ficção.

Contar ou ler e ouvir histórias são formas de criar um espaço e um tempo imaginários, integradores. Somos todos iguais, envolvidos e contaminados pelas tramas, ações e reações e jeito de ser das personagens, pelos lugares onde os fatos se passam e pelas palavras e outros recursos narrativos de quem lê ou conta... (p. 62)

Portanto, as histórias contadas para as crianças devem levar a magia, enriquecer, motivar criativamente, culturalmente e afetivamente. Motiva o imaginário e despertam o prazer de ler e de ouvir.

Referência

JOSÉ, Elias. Literatura infantil: ler, contar e encantar crianças. Porto Alegre: Mediação, 2007. 

Nenhum comentário: