26 de fev de 2013

Afegã que teve rosto mutilado pelo marido mostra o resultado da cirurgia reconstrutora


A jovem Aesha Mohammadzai ficou conhecida no mundo inteiro, ao sair na capa da revista americana Time, em agosto de 2010, com o rosto mutilado, vítima de um casamento abusivo. Quase três anos depois, a afegã de 19 anos mostra o resultado de uma série de cirurgias reconstrutivas.
Aesha virou o símbolo da luta contra a opressão das mulheres no Afeganistão. Ela teve o nariz e as orelhas cortados pelo marido e pela família dele, depois que tentou fugir.
Ao aparecer na capa da Time, Aesha ganhou a ajuda de diversas pessoas. Agora, ela vive nos Estados Unidos, no estado de Maryland, com uma família que a “adotou”. Lá, ela tem tratamento médico e ganhou até uma irmã mais nova, de 15 anos.
A afegã mora nos Estados Unidos, com uma nova família
A afegã mora nos Estados Unidos, com uma nova família Foto: Reprodução / Mail Online
Para reconstruir o nariz de Aesha, os especialistas estimularam a produção de tecido na testa dela, e essa porção extra foi transplantada para o nariz. Segundo o tabloide britânico Daily Mail, a afegã também teve tecido do antebraço transplantado no rosto.
As feridas de Aesha irão cicatrizar em breve. Mas apenas as visíveis, já que ela levará pelo resto da vida o trauma da agressão.
- Eu era abusada pelo meu marido e pela família dele todos os dias. Mentalmente e fisicamente. Um dia, isso se tornou insuportável e eu fugi. Eles me apanharam e me colocaram em uma prisão por cinco meses. Quando fui ao juiz, ele me enviou de volta para o meu marido. Naquela noite, eles (a família do marido) me levaram para as montanhas - relembrou ela, em entrevista à emissora ITV. - Eles amarraram minhas mãos e pés. E disseram que a punição seria cortar meu nariz e orelhas. E foi isso o que fizeram.
A família que acolheu Aesha
A família que acolheu Aesha Foto: Reprodução / Mail Online
Aesha foi deixada nas montanhas para morrer, mas conseguiu chegar à casa do avô.
- Quando eles cortaram meu nariz e orelhas, eu desmaiei. Acordei no meio da noite, e senti como se tivesse água gelada no meu nariz. Abri os olhos e nem conseguia enxergar por causa de todo o sangue - contou a afegã à rede de notícias CNN, em outra ocasião.
Ela passa por tratamento médico
Ela passa por tratamento médico Foto: Reprodução / Mail Online
Quando Aesha completou 12 anos, o pai a prometeu em casamento para um membro do Talibã, para quitar uma dívida. Ela chegou a ser forçada a dormir no estábulo, com os animais. Nunca tinha ido para a escola, nem celebrado o próprio aniversário. Agora, se diz feliz com a nova vida.
- Eu quero dizer às mulheres que sofrem algum tipo de abuso, para serem fortes. Nunca desista, nem perca as esperanças.


Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/mundo/afega-que-teve-rosto-mutilado-pelo-marido-mostra-resultado-da-cirurgia-reconstrutora-7674402.html#ixzz2M3YkAswM. Acesso em: 26 fev. 2013

25 de fev de 2013

"There Are Children Who Play to Be Invisible": campanha da Unicef contra os castigos físicos e humilhantes



Às vezes o medo, a dor e o sofrimento fazem as crianças desejarem ser invisíveis! Veja a bela campanha que a Unicef faz pelo fim das violências físicas e psicológicas na educação dos filhos.

"There Are Children Who Play to Be Invisible"
"Hay niños que juegan a ser invisibles"
“Há crianças que brincam de ser invisíveis”


“Hay niños que jugan de ser invisibles.
No a los gritos, insultos y golpes.
Com violencia no se aprende.
Ponte en su lugar.”

“Há crianças que brincam de ser invisíveis.
Não aos gritos, insultos e tapas.
Com violência não se aprende.
Ponha-se no seu lugar”
Fonte. Blog Educar sem Violência. Cida Alves. 2013. Disponível em: http://toleranciaecontentamento.blogspot.com.br/. Acesso em: 25 fev. 2013

24 de fev de 2013

Mãe que matou os três filhos choca franceses


Crime ocorreu na cidade de Dampmart. Mulher matou os filhos de dez, 14 e 16 anos.


O caso da mãe que matou na sexta-feira os três filhos (dois meninos e uma menina) na cidade de Dampmart, próximo a Paris, chocou os franceses.
Dezenas de jovens deixaram flores e mensagens ao lado da casa onde foram mortos Laurent, de dez anos, Gnilane, de 14, e Valentin, de 16 (Foto: Patrick Kovarik/AFP)Dezenas de jovens prestaram homenagem aos irmãos assassinados (Foto: Patrick Kovarik/AFP)
Dezenas de jovens deixaram flores e mensagens ao lado da casa onde foram mortos Laurent, de dez anos, Gnilane, de 14, e Valentin, de 16.
Crime ocorreu na cidade de Dampmart (Foto: Patrick Kovarik/AFP)Crime ocorreu na cidade de Dampmart (Foto: Patrick Kovarik/AFP)
A mãe, de 45 anos, chegou a ficar foragida, mas foi localizada através do seu telefone celular em um apartamento de Paris, onde foi detida.
Mulher teria assassinados os filhos por estar passando por problemas conjugais (Foto: Patrick Kovarik/AFP)Mulher teria assassinados os filhos por estar passando por problemas conjugais (Foto: Patrick Kovarik/AFP)
Segundo os primeiros detalhes da investigação, o casal passava por problemas "conjugais", informou o site do jornal "Le Parisien".
A Polícia Judiciária de Versalhes está à frente da investigação.



Fonte: G1, em São Paulo. 2013. Disponível em: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2013/02/mae-que-matou-os-tres-filhos-choca-franceses.html. Acesso em: 25 fev. 2013.

21 de fev de 2013

EDUCAÇÃO



Férias são tão importantes para o aprendizado das crianças quanto a escola
Ter um tempo livre para brincar é essencial para as crianças assimilarem o conteúdo visto ao longo do ano letivo, além disso, aumenta a disposição para aprender novas informações

3 dicas para seu filho adorar matemática - A atriz Danica Mckellar, do seriado de TV Anos Incríveis, se tornou matemática e dá dicas para as crianças não temerem números e contas
3 dicas para seu filho adorar matemática
A atriz Danica Mckellar, do seriado de TV Anos Incríveis, se tornou matemática e dá dicas para as crianças não temerem números e contas

Ouvir histórias e brincar torna seu filho mais inteligente na vida adulta
Pesquisa norte-americana mostrou que as crianças que aos 4 anos viviam em um ambiente com mais livros e brinquedos tinham o córtex cerebral mais fino, o que está relacionado com maior inteligência na vida adulta

Qual é a melhor fase para aprender uma nova língua?
Os primeiros anos são ideais para o aprendizado de outro idioma, mas é preciso tomar cuidado para não atrapalhar a alfabetização na língua materna

Perguntas surpreendentes para fazer na hora de escolher a primeira escola do seu filho -
Perguntas surpreendentes para fazer na hora de escolher a primeira escola do seu filho

Usar “coleira” é uma boa saída para garantir a segurança dos filhos? - Acessório polêmico ainda divide a opinião de mães e especialistas
Usar “coleira” é uma boa saída para garantir a segurança dos filhos?
Acessório polêmico ainda divide a opinião de mães e especialistas

Governo de São Paulo lança campanha contra bullying
Articulada pela Secretaria de Educação, a iniciativa terá ações no Facebook e no canal Cartoon Network para dialogar com os alunos

ONG promove feira de troca de brinquedos em São Paulo - Evento para crianças de até 12 anos será realizado no Parque do Ibirapuera no próximo sábado (26)
ONG promove feira de troca de brinquedos em São Paulo
Evento para crianças de até 12 anos será realizado no Parque do Ibirapuera no próximo sábado (26)

Como ajudar as crianças a superar seus medos -
Como ajudar as crianças a superar seus medos


Fonte: Revista Crescer. 2013. Disponível em: . Acesso em: 21 fev. 2013.

20 de fev de 2013

SEUS FILHOS: ATIVIDADES E BRINCADEIRAS




Como escolher uma atividade física para o seu filho - Aproveite as Olimpíadas para incentivar seu filho a se exercitar
Como escolher uma atividade física para o seu filho
Aproveite as Olimpíadas para incentivar seu filho a se exercitar

O que o judô pode ensinar ao seu filho - Melhor participação dos judocas brasileiros nas Olimpíadas pode fazer seu filho se interessar pelo esporte
O que o judô pode ensinar ao seu filho
Melhor participação dos judocas brasileiros nas Olimpíadas pode fazer seu filho se interessar pelo esporte

Segurança no parquinho  - ABNT lança novas regras para evitar acidentes em playgrounds e parques de diversão
Segurança no parquinho
ABNT lança novas regras para evitar acidentes em playgrounds e parques de diversão

Natação faz bem para bebês, sim! - Apesar de pesquisadores belgas desaconselharem a atividade antes dos 12 meses, Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda o esporte partir dos 6 meses, com alguns cuidados. Saiba mais
Natação faz bem para bebês, sim!
Apesar de pesquisadores belgas desaconselharem a atividade antes dos 12 meses, Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda o esporte partir dos 6 meses, com alguns cuidados. Saiba mais

Artista plástica cria parque infantil de crochê - Crianças se divertem com as estruturas de pano em museu do Japão
Artista plástica cria parque infantil de crochê
Crianças se divertem com as estruturas de pano em museu do Japão

Você supervisiona tanto o seu filho a ponto de não deixá-lo se exercitar no parquinho? - A resposta é sim. Pelo menos para parte dos pais envolvidos em uma pesquisa norte-americana
Você supervisiona tanto o seu filho a ponto de não deixá-lo se exercitar no parquinho?
A resposta é sim. Pelo menos para parte dos pais envolvidos em uma pesquisa norte-americana

Julho é mês de cursos de férias! - CRESCER listou alguns cursos bacanas em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais  para o seu filho aproveitar, ainda melhor, as férias
Julho é mês de cursos de férias!
CRESCER listou alguns cursos bacanas em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais para o seu filho aproveitar, ainda melhor, as férias

Julho é mês de cursos de férias! - CRESCER listou alguns cursos bacanas em São Paulo, no Rio e em Minas Gerais para o seu filho aproveitar, ainda melhor, as férias
Julho é mês de cursos de férias!
CRESCER listou alguns cursos bacanas em São Paulo, no Rio e em Minas Gerais para o seu filho aproveitar, ainda melhor, as férias

As crianças de hoje são mais fracas? - Novo estudo diz que sim. Segundo o pesquisador, a explicação é simples: hoje se passa mais tempo em atividades que não exigem esforço físico, como navegar na internet. Confira
As crianças de hoje são mais fracas?


Fonte: Revista Crescer. 2013. Disponível em: http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EDT0-15156,00.html. Acesso em: 20 fev. 2013.

19 de fev de 2013

Mulheres de referência de Goiás


Dilma beija Malú
Estimado(a) leitor(a),

O jornal “O popular”, por intermédio de votação popular, elegerá 75 mulheres de referência do Estado de Goiás para serem homenageados no dia 08 de março. Sei que nosso estado é afortunado demais da conta, e o que mais nós temos por aqui é mulher competente, talentosa, aguerrida....
Mas como concentro minha atuação profissional e meu ativismo político na área de defesa dos direitos de Crianças e Adolescente quero pedir o seu voto para uma mulher danada de bamba, a psicóloga Malú Moura.
Entre tantas contribuições em sua atuação política e profissional, ressalto que ela foi a primeira mulher eleita pela sociedade civil, para a presidência do Conselho nacional dos Direitos da Criança e Adolescente (CONANDA),a instância máxima de caráter deliberativo dos direitos da criança e adolescente no Brasil.

E mais, Malú Moura é uma grande parceira na luta pela erradicação dos castigos físicos e humilhantes na educação e no cuidado de crianças e adolescentes.
Todos querem beijar a Malú 1






Por isso, venho humildemente pedir o seu voto para a Malú MouraVocês podem votar nela enviando e-mail para o seguinte endereço eletrônico:mulheresdereferencia@ojc.com.br 


Atenção:
Para votar é só escrever no e-mail que você considera a Malú Moura uma referência goiana. A votação popular encerra no dia 20 de fevereiro, então você só tem hoje e amanhã para enviar o seu voto.

Um abraço carinhoso.

Cida Alves

Fonte: Blog Educar sem Violência. Cida Alves. Acesso em: 19 fev. 2013.

17 de fev de 2013

Você bate no seu filho?






Veja outras opções para impor limites.

Projeto de lei que proíbe o castigo físico foi apresentado nesta quarta (14) ao Congresso pelo presidente Lula. Em discurso, ele defendeu o diálogo em vez da palmada na criação dos filhos. Veja por que CRESCER sempre defendeu que bater não é uma forma de educar


No ano em que o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) comemora 20 anos, finalmente entra em discussão no Congresso um projeto de lei para coibir a prática de castigos corporais em crianças e adolescentes. Apresentado nesta quarta (14) pelo presidente Lula, o projeto acrescenta ao ECA um artigo que concede a eles o direito de serem cuidados e educados pelos pais ou responsáveis sem castigo corporal ou tratamento cruel ou degradante – definido, pelo texto, como qualquer tipo de conduta humilhante. “Todo mundo sabe que o tempo da palmatória não educava mais do que o tempo da conversa. Ninguém quer proibir a mãe de ser mãe, queremos apenas dizer que é possível fazer as coisas de forma diferenciada”, afirmou Lula durante cerimônia de apresentação do projeto.

De acordo com informações da Agência Brasil, há penalidades previstas para o pai ou responsável que bater em uma criança, como encaminhamento a programas de proteção à família, orientação psicológica ou, se for o caso, encaminhamento do filho a tratamento especializado. Que outras mudanças esse projeto vai trazer à sociedade que, de um modo geral, acha que a palmada é um meio de educar? Os pais vão ser presos se baterem em seus filhos? Ou vão poder dar um tapa vez ou outra? Ainda não sabemos. Mas a iniciativa pode mudar o jeito de pensar das famílias brasileiras.

10 perguntas sobre palmada

Violência não é a melhor saída para impor limites. Veja como educar as crianças sem perder a razão.


A palavra impressiona, porém nem sempre é sinônimo de dor física. Repreender o filho por causa de uma desobediência dá limite.


O mundo contra a palmada.


Dá para amar uma criança difícil?

Só um tapinha não dói. Será?

Confira o que diz a especialista sobre pais que insistem em bater nos filhos no lugar de educar.


10 passos para lidar com a birra da criança. E não perder a classe.

Converse depois que a criança se acalmar.


Chega de grito.

Você acha que gritar é um recurso para seu filho "ouvir" você? Confira o que diz o psicólogo espanhol Guillermo Ballenato, autor do livro Educar Sin Gritar (Educar Sem Gritar).


8 razões para não bater no seu filho.
Especialistas mostram quais as consequências de usar a violência para educar as crianças.


Suécia: 30 anos sem as palmadas

O país foi o primeiro a criar uma lei que proíbe o uso de palmada para educar as crianças.

Fonte: Revista Crescer. In. Blog Educar sem Violência. Cida Alves. Acesso em: 18 fev. 2013.

15 de fev de 2013

Polícia encontra “escravas sexuais” que atendiam trabalhadores de Belo Monte

A matéria é de Verena Glass, da Repórter Brasil.

A Polícia Civil de Altamira (PA) encontrou 14 mulheres e uma travesti em situação de escravidão e cárcere privado em um prostíbulo localizado em área limítrofe de um dos canteiros de obras da hidrelétrica de Belo Monte. A operação foi realizada na noite desta quarta (13), após denúncia de uma garota de 16 anos, que conseguiu fugir.

A adolescente procurou a conselheira do Conselho Tutelar, Lucenilda Lima, que acionou a polícia. De acordo com o delegado Rodrigo Spessato, que comandou a operação, as mulheres eram confinadas em pequenos quartos sem janelas e ventilação, com apenas uma cama de casal. Cadeados do lado de fora trancavam as portas. Elas tinham entre 18 e 20 anos – além da jovem de 16, e eram provenientes do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. De acordo com o delegado, em depoimentos, as vítimas afirmaram que podiam ir à cidade de Altamira uma vez por semana, por uma hora, mas eram vigiadas pelos funcionários da boate.

Além da situação de cárcere privado, a polícia também encontrou no local um caderno onde eram anotadas as dívidas das meninas, como gastos com passagens, alimentos, e vestimentas, além de “multas” por motivos diversos.

Ameaça de morte – Segundo Lucenilda, do Conselho Tutelar, as garotas disseram ter muito medo de retaliações, uma vez que o dono da boate teria ameaçado seus familiares que moravam no Sul. Em entrevista à reportagem, uma das jovens resgatadas contou que, assim que a adolescente de 16 anos conseguiu fugir, o gerente a seguiu com uma arma. Parte do grupo foi retirado do bordel, mas parte permaneceu com medo de represálias.

“Ele saiu atrás dela armado e disse que não custava matar uma, que ninguém ficaria sabendo”, afirma uma das resgatadas, Procedente de Joaçaba, no interior de Santa Catarina. Ela conta que trabalhava em uma boate cuja cafetina era “sócia” do dono da boate no Pará. “Viemos em nove lá de Joaçaba. Falaram para gente que seria muito bom trabalhar em Belo Monte, que a gente ganharia até R$ 14 mil por mês, mas quando chegamos não era nada disso”, conta.

“Já de cara fizemos uma dívida de R$ 13 mil por conta das passagens [valor cobrado do grupo]. Aí temos que comprar roupas, cada vestido é quase R$ 200, e tudo fica anotado no caderninho pra gente ir pagando a dívida. E tem também a multa, qualquer coisa que a gente faz leva multa, que também fica anotada no caderno. Depois de cada cliente, a gente dava o dinheiro para o dono da boate pra pagar as nossas dívidas, eu nunca ganhei nenhum dinheiro para mim”, explica a garota.
Sobre as condições às quais foram submetidas na boate, ela conta que morava com outras três meninas em um pequeno quarto muito quente, e que não tinha permissão de sair do local. “Eles ligavam o ar condicionado só por uma hora. A gente tinha que trabalhar 24 horas por dia; quando tinha cliente, tinha que atender”, afirma.

“De comida, tinha almoço e janta. Se você estava trabalhando na hora do almoço, tinha que esperar a janta. Se desse muita fome, a gente tinha que comprar um lanche. O gerente da boate dizia que a gente só poderia sair depois de pagar todas as dívidas, e que nem adiantava reclamar porque ninguém ia nos ajudar, ele era amigo da Justiça e nunca ninguém ia fazer nada contra ele. Mas ele disse que se a gente falasse, eles iam atrás dos nossos filhos e parentes lá no Sul”.

Belo Monte – Sobre os clientes, ela conta que eram exclusivamente trabalhadores de Belo Monte. “Eram operários, eram gerentes, tinha de tudo. Todo mundo que trabalha na obra vinha na boate”, explicou.

O delegado Rodrigo Spessato diz não sabe se o prostíbulo está dentro ou fora dos limites do canteiro de obras. A conselheira Lucenilda Lima relata, no entanto, que para chegar à boate foi preciso atravessar o canteiro de Pimental, um dos principais da usina. “Foi uma burocracia na entrada para a gente conseguir passar. E lá mesmo toda hora passavam os carros e tratores de Belo Monte, eu considero que a boate está na área da usina”.

Como Pimental fica no município de Vitória do Xingu, o caso está sendo apurado pela delegacia dessa cidade. O delegado local chegou a Altamira na manhã desta quinta-feira para tomar os depoimentos das vítimas. De acordo com o delegado de Altamira, que efetuou a prisão de dois funcionários da boate na noite passada, além de exploração sexual de menor, cárcere privado e trabalho escravo, o caso poderá ser caracterizado como tráfico de pessoas. Os donos estavam sendo procurados.

Enviado por Maria Luiza Moura Oliveira, psicólogo e mestre em psiclogia social pela PUC Goiás, em 14 de fevereiro de 2013.In. Blog Educar sem Violência. Cida Alves. 2013

12 de fev de 2013

MEU PÉ DE LARANJA LIMA


Ficha Técnica

Título no Brasil:  Meu Pé de Laranja Lima
Título Original:  Meu Pé de Laranja Lima
País de Origem:  Brasil
Gênero:  Drama
Tempo de Duração: 108 minutos
Ano de Lançamento:  1970
Estúdio/Distrib.:  Europa Filmes
Direção:   

Sinopse 

Zezé (João Guilherme de Ávila) é um garoto de oito anos que, apesar de levado, tem um bom coração. Ele leva uma vida bem modesta, devido ao fato de que seu pai está desempregado há bastante tempo, e tem o costume de ter longas conversas com um pé de laranja lima que fica no quintal de sua casa. Até que, um dia, conhece Portuga (José de Abreu), um senhor que passa a ajudá-lo e logo se torna seu melhor amigo.


Conquistando o Mundo

"Meu Pé de Laranja Lima", inspirado na obra homônima de José Mauro de Vasconcelos, produzido pela Pássaro Films e dirigido por Marcos Bernstein, encontra-se ainda em fase de finalização. Entretanto já está sendo comercializado na Europa, com vendas asseguradas até a presente data, pelo agente de vendas internacional Elle Driver, para os seguintes países: Alemanha, Espanha, Portugal, Coréia, Tailândia e Turquia.

Parte do antecipado sucesso comercial internacional do filme pode ser explicado pelo fato de ser um dos livros brasileiros mais traduzidos, podendo ser lido em 16 idiomas diferentes e publicado em 19 países. Além disso, o filme reúne uma talentosa equipe técnica liderada pelo diretor Marcos Bernstein, montado por Marcelo Moraes, fotografia de Gustavo Hadba, direção de arte de Bia Junqueira e desenho de som de Waldir Xavier. Recentemente ganhou um expressivo reforço do israelense Armand Amar, grande compositor de trilhas do cinema, que prontamente aceitou o convite da produção para integrar a equipe.

  As peripécias e angústias do menino Zezé, na sua descoberta que a vida pode, às vezes apresentar dolorosas surpresas, promete divertir e emocionar as platéias do mundo inteiro nesta sua caprichada transposição para o cinema.

O filme foi um dos contemplado do concurso do Fundo Setorial da ANCINE , divulgado no ultimo dia 9 de novembro, garantindo assim os recursos para sua finalização e tendo seu lançamento previsto para o primeiro semestre de 2012 pela IMOVISION. O filme tem o patrocínio da PETROBRAS, BNDES, ENERGISA e USIMINAS.

Fonte: http://meupedelaranjalimaofilme.blogspot.com.br/. Acesso em: 12 fev. 2013.

          
Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=1rIdvI-18uk. Acesso em: 11 fev. 2013.

11 de fev de 2013

A IMPORTÂNCIA DA POESIA E DOS LIVROS NO UNIVERSO INFANTIL


                                                                                                              Jorge Silva Sousa

 

“Feliz a criança que foi embalada pela mãe ao som de um acalanto. O som da melodia e a beleza dos versos tão simples e graciosos nos ouvidos, para todo sempre” (Elias José)


Tradicionalmente, muitas pessoas ainda têm uma visão distorcida em relação às cantigas de folclore e da literatura infantil. Muitos acreditam que com as cantigas e as histórias que contamos para as crianças, são violentas e provoca medo e tortura.  Mas segundo (Elias José, 2007, p. 28),

Não conheço ninguém que tenha sido prejudicado, que tenha tido uma infância infeliz por culpa de qualquer cantiga ou história. O contrário se vê a todo instante. Crianças que não tiveram o carinho da mãe e seu acalento, que têm apenas o barulho da rua como a sua música de embalar. A voz da mãe é pura certeza de paz. O aconchego do seu corpo é pura segurança.

Ao contrário, a literatura, em prosa ou em verso, tem o poder de, brincando com a violência e com o medo, banalizá-los. Muitas crianças superar o medo através da musicalidade das palavras, das cantigas de ninar, travas populares, trava-línguas, ciranda e parlendas são formas poéticas que adoçam a infância de qualquer criança. 

Penso como fazem falta às crianças de hoje as cirandas: mão dadas, corpos próximos, vozes cantadas no mesmo ritmo melódico, a animação que só o espírito infantil consegue, o riso com um pouco de maldade quando alguém se recusa a ser o par do que está na roda, a felicidade dos movimentos de ir e vir. (Elias José, 2007, p. 28)

Atualmente, essas brincadeiras, o contato físico vem sendo substituído pela televisão, internet, celular, enfim pela tecnologia. Por isso faz-se necessário que pais e professores abram os olhos para a importância das brincadeiras, das cantigas de ninar, das histórias e da literatura infantil para a vida das crianças e jovens. Pois através delas a criança faz uma viagem de sonho e de puro encantamento. Portanto, o autor enfatiza a importância de compras livros para as crianças desde infância, “o livro infantil é o ponto de partida para um imaginário bem estimulado”

Referência

JOSÉ, Elias. Literatura infantil: ler, contar e encantar crianças. Porto Alegre: Mediação, 2007. 



9 de fev de 2013

TUDO POR DINHEIRO: ibope pode trazer de volta pastor homofóbico à programa de entrevista em emissora brasileira



Um horror: pastor que possui um patrimônio pessoal de cerca de trezentos milhões de reais (R$ 300.000.000,00) faz apologia homofóbica em emissora de TV brasileira. Abaixo um interessante artigo de Walter Hupsel:

Absolutamente

Por Walter Hupsel

No domingo dia 03, Marília Gabriela entrevistou um certo pastor famoso que tem, segundo a revista Forbes, um patrimônio pessoal de cerca de trezentos milhões de reais (R$ 300.000.000,00). O tal pastor é conhecidíssimo por seu conservadorismo e homofobia.

(Não direi o nome do pastor. Vai que na terceira menção ao seu nome ele aparece!)

A entrevista foi pessimamente conduzida. Os sofismas e a retórica do pastor passaram batidos pela entrevistadora. Mas deu audiência e o SBT já estaria planejando uma nova entrevista com o este senhor. Para a TV, dinheiro é tudo, mesmo que tenha que dar voz ao discurso de ódio.
O tema principal, claro, foi a homossexualidade. O pastor veio com ladainhas retóricas sobre temas no qual é completamente ignorante, mesmo em psicologia, área de sua graduação.

O pastor tentou usar argumentos "científicos" para justificar sua homofobia (que “ama o homossexual e o assassino”), e falou uma dúzia de bobagens destinada a convencer os já convencidos. Sobre genética, evolução, biologia, psicologia... só bobagens. Mas cumpria ali seu papel de jogar argumentos para seu público.

Depois disso, as redes sociais foram invadidas por “respostas” ao pastor, de cientistas que entendem do riscado, que demoliram os argumentos pseudo-científicos do, bem, chamá-lo-ei de Beetlejuice.
Eles nascem homossexuais? Isso é genético? É ‘alma’? Ou seria um ambiente propício? É natural? Cultural? Ambos?

Da minha parte, não me importa o que a ciência diz. Ela já disse tantas coisas, já justificou tantos preconceitos e assassinatos por aí. Até a década de 1970, por exemplo, a homossexualidade era considerada uma doença ou perversão, isso embasado na tal “ciência”.

O que realmente importa é que existem homossexuais, que são pessoas como qualquer outra. Como pessoas, devem ter direitos exatamente iguais, cidadania plena. Direitos e cidadania que pessoas como o pastor Beetlejuice não admitem.
Para estas, suas crenças devem dominar o mundo e ser a crença de todos. É uma visão absoluta, que não admite contraditório, não admite nada que não se encaixe na sua visão de mundo, tendo que todos se converterem a ela.
Não é menos sintomático que o pastor acabe sua entrevista dizendo que é “contra” o divórcio (faltou a pergunta: “deveria ser proibido?” ao que, creio, teria um “sim” como resposta).

Além deste discurso bonzinho que ama “os homossexuais e os assassinos”, o absolutismo do pastor encontra um, e apenas um inimigo: a visão estereotipada que fazem do islamismo. Respeita o papa católico como um líder de uma religião, mas enxerga o Islã como “um radicalismo muito horroroso”, afirmou.

Nesta visão completamente deturpada e estereotipada, o Islã é um outro absoluto, assim sendo, um espelho. Beetlejuice se reconhece neste espelho, só não pode admitir.

Por isso nada adianta colocar discursos científicos ou mesmo bíblicos no debate. O que realmente interessa é a integridade e a dignidade humana. E isso é para todos, absolutamente.

Fonte: On The Rocks – qui, 7 de fev de 2013. In Blog Educar sem Violência. Cida Alves. Acesso em: 09 fev. 2013.

5 de fev de 2013

Brinque o carnaval sem brincar com os direitos das crianças e adolescentes.

Esse ano vamos brincar o carnaval sem brincar com os direitos das crianças e adolescentes. Diga não à violência sexual contra crianças e adolescentes. Diga não ao trabalho infantil. Diga não ao Tráfico de crianças e adolescentes para fins de exploração sexual. Diga não a todo tipo de violação da infância e adolescência. Disque 100 e garanta o carnaval de nossas meninas e meninos do Brasil.

Fonte: http://www.facebook.com/photo.php?fbid=476783155702946&set=a.384409631606966.85472.165251083522823&type=1&theater. Acesso em: 05 fev. 2013.

4 de fev de 2013

Sobre o amor e o cuidado com o outro

A palavra é a maior obra civilizatória construída pela humanidade, mas são os atos que salvam o mundo” (Cida Alves).
Sobre o amor e o cuidado

É muito difícil conceituar o amor, mesmo por que ele se configura diferente em cada tipo de relação humana, pai e filho, mestre e aprendiz, irmãos, amigos, companheiros…
O amor pode ser manso, intenso, recatado, espontâneo, alegre, contemplativo, firme, delicado, mas com certeza ele não se sustenta na distância, na frieza, na polidez de palavras vazias de afeto e na pieguice.
Acredito que o amor só cumpre sua missão se for convertido em gestos de cuidados que considerem as dificuldades e as reais necessidades do outro.
Estimado leitor,
Nesse domingo deixo com você algumas tentativas de definição do amor. Ashey Montagu, Marta Medeiros e o filme “Intocáveis” estão aqui para apresentar as suas versões desse sentimento.


Pai Canguru
Foto de pai canguro em uma UTI neonatal

“Amor, uma palavra frequentemente usada, mas poucas vezes por cientistas em seu papel científico, raramente é definida. Uma definição breve seria: comportamento calculado para conferir a um outro benefícios de sobrevivência, de forma criativamente ampliada. Para a criança dependente, consiste na satisfação de suas necessidades básicas, assim como das necessidades perceptivas como tato, visão, audição e experiência vestibulares, orais e gastrointestinais, para enumerar as mais óbvias. Ainda mais importante que isso é a comunicação do sentimento de profundo envolvimento no bem-estar do outro, de que a criança possa depender de você para o apoio, o sustento e os estímulos que ela requer para ter a sensação de segurança, tão essencial para o desenvolvimento sadio” (MONTAGU, 1978, p.197).

DSC_6119.jpg
Cena do filme A delicadeza do amor

Sentir-se amado
O cara diz que te ama, então tá. Ele te ama.
Sua mulher diz que te ama, então assunto encerrado.
Você sabe que é amado porque lhe disseram isso, as três palavrinhas mágicas. Mas saber-se amado é uma coisa, sentir-se amado é outra, uma diferença de milhas, um espaço enorme para a angústia instalar-se.
A demonstração de amor requer mais do que beijos, sexo e verbalização, apesar de não sonharmos com outra coisa: se o cara beija, transa e diz que me ama, tenha a santa paciência, vou querer que ele faça pacto de sangue também?
Pactos. Acho que é isso. Não de sangue nem de nada que se possa ver e tocar. É um pacto silencioso que tem a força de manter as coisas enraizadas, um pacto de eternidade, mesmo que o destino um dia venha a dividir o caminho dos dois.
Sentir-se amado é sentir que a pessoa tem interesse real na sua vida, que zela pela sua felicidade, que se preocupa quando as coisas não estão dando certo, que sugere caminhos para melhorar, que coloca-se a postos para ouvir suas dúvidas e que dá uma sacudida em você, caso você esteja delirando. "Não seja tão severa consigo mesma, relaxe um pouco. Vou te trazer um cálice de vinho".
Sentir-se amado é ver que ela lembra de coisas que você contou dois anos atrás, é vê-la tentar reconciliar você com seu pai, é ver como ela fica triste quando você está triste e como sorri com delicadeza quando diz que você está fazendo uma tempestade em copo d´água. "Lembra que quando eu passei por isso você disse que eu estava dramatizando? Então, chegou sua vez de simplificar as coisas. Vem aqui, tira este sapato."
Sentem-se amados aqueles que perdoam um ao outro e que não transformam a mágoa em munição na hora da discussão. Sente-se amado aquele que se sente aceito, que se sente bem-vindo, que se sente inteiro. Sente-se amado aquele que tem sua solidão respeitada, aquele que sabe que não existe assunto proibido, que tudo pode ser dito e compreendido. Sente-se amado quem se sente seguro para ser exatamente como é, sem inventar um personagem para a relação, pois personagem nenhum se sustenta muito tempo. Sente-se amado quem não ofega, mas suspira; quem não levanta a voz, mas fala; quem não concorda, mas escuta.
Agora sente-se e escute: eu te amo não diz tudo.
Martha Medeiros



Dedico essa postagem a minha querida orientadora Ruth Catarina, que é meu guia amoroso (no sentido freiriano) de como ser uma educadora que faz do processo de ensinar uma coisa de gente inteiro e não pela metade.

Fonte: Blog Educar sem Violência. Cida Alves. Acesso em: 04 fev. 2013.