17 de set de 2011

Comissão de Estudos sobre a UEG apresenta relatório


Comissão de Estudos sobre a UEG apresenta relatório

A Comissão de Estudos sobre a Universidade Estadual de Goiás (UEG) apresentou no final da tarde de ontem (15/9) o relatório sobre o diagnóstico da instituição. A reunião, realizada no auditório do 9º andar do Palácio Pedro Ludovico, teve a participação do governador em exercício, José Eliton Júnior e diretores da UEG. Os trabalhos de apresentação foram conduzidos pelo secretário de Ciência e Tecnologia, Mauro Faiad, e pela vice-reitora e presidente da Comissão, Eliana França.  
                                         
                                                           Foto: Michel Capel

Na reunião foram apresentadas as propostas da Comissão para a reestruturação da unidade. O relatório defende a autonomia política, financeira, acadêmica e de gestão da UEG e propõe uma completa reestruturação da instituição, com a criação dos Centros Universitários Regionais, dos Centros de Pesquisa e Inovação, dos Polos de Educação a Distância e dos Institutos de Educação Superior Tecnológica.
                                        
                                                       Foto: Michel Capel
Em seu pronunciamento, o governador em exercício defendeu a autonomia política e administrativa da UEG, afirmando que o relatório da Comissão “é o primeiro passo em direção da consolidação do ensino de qualidade da UEG”. José Elinton disse que a reestruturação da universidade é uma das prioridades do atual governo e um dos compromissos mais urgentes da atual administração.
O secretário Mauro Faiad afirmou que o relatório, além de ser um profundo diagnóstico sobre a situação atual da UEG, será um importante ponto de partida para evitar que a instituição fique “à própria sorte”. “Para justificar a importância dessa proposta de reestruturação, basta citarmos os dados da pesquisa sobre o ensino superior no Brasil que mostram a UEG entre as cinco piores universidades do País. Esse é uma situação vexatória para Goiás que o governo Marconi Perillo está determinado a mudar com a maior rapidez possível”, disse o secretário.
Leia abaixo os principais pontos da proposta de reestruturação da UEG:
Relatório da Comissão de Estudos sobre a Universidade Estadual de Goiás – Plano de Metas e Ações
            O relatório foi elaborado a partir de análises realizadas pela comissão, em documentos produzidos pela própria universidade e estudos publicados sobre a UEG, além de ouvir, em audiências públicas, a comunidade acadêmica e setores organizados da sociedade goiana. Os estudos realizados pela comissão tomaram por base as microrregiões econômicas, a definição dos arranjos produtivos locais e o plano de governo Marconi Perillo, assim como, o desempenho dos cursos e das unidades da UEG, para apresentar a proposta de reestruturação ancorada em um único eixo (fortalecimento da UEG) com duas metas, autonomia universitária e reestruturação acadêmica, com quatro ações em cada meta.   
·        DIAGNÓSTICO
·         Metodologia do Trabalho
o       Sugestões obtidas nas audiências públicas e consulta pela Internet
o       Análise financeira
o       Situação dos docentes e servidores
o       Situação da pesquisa e pós-graduação
o       Situação da extensão, cultura e assistência estudantil
o       Situação dos cursos de graduação
o       Situação das unidades, pólos e extensões
o       Conclusão
·         Composição do Relatório
o       Vol I – Diagnóstico e Proposta de Reestruturação
o       Vol II – Documentação
o       Vol III – Situação dos Cursos
o       Vol IV – Situação das Unidades
o       Vol V – Síntese das Propostas
·        METAS PROPOSTAS
·         Eixo – Fortalecimento da UEG
1.       Autonomia Universitária
2.       Reestruturação Acadêmica
·         Meta 1: Autonomia Universitária
·         Estruturação da UEG para o exercício pleno da autonomia universitária, preconizada pela legislação, por meio de 4 ações imediatas:
1.       Autonomia política
2.       Autonomia financeira
3.       Autonomia de gestão
4.       Autonomia acadêmica
·         Meta 2. Reestruturação Acadêmica
·         Preparação da UEG para uma nova ordem acadêmica, por meio de 4 ações que criam:
1.       Centros Universitários Regionais
2.       Centros de Pesquisa e Inovação
3.       Polos de Educação a Distância e ou Presencial Mediada por Tecnologia
4.       Institutos de Educação Superior Tecnológica
·         Meta 1. Autonomia Universitária
·         Ação 1: Autonomia Política
1.      Ênfase na importância da universidade exercer seu papel político, mas não partidário e de caráter personalista;
2.      Adoção de rigorosos critérios acadêmicos que assegurem ao estado e à população, a excelência de seus serviços, inclusive para definir a expansão de cursos e unidades.
·         Ação 2: Autonomia Financeira
1.      Cumprimento dos preceitos constitucionais, repassando à UEG, em formas de duodécimos, os 2% que lhe são devidos, para conta própria, administrada pelo ordenador de despesa da universidade;
2.      Avaliação do aumento desse percentual, conforme analise de sua adequação às necessidades da UEG e à capacidade de investimento do estado.
·         Ação 3: Autonomia de Gestão
1.      Elaboração de legislação própria de responsabilidade fiscal e educacional para Goiás;
2.      Criação de conselhos regulatórios e fiscalizadores;
3.      Instituição do conselho curador ou de gestão;
4.      Redefinição da composição dos conselhos acadêmico e universitário
a.     Ampliação da participação de docentes e pesquisadores por regiões e/ou categoria,
b.     Eliminação da representação sindical;
5.      Implantação dos contratos de gestão, com metas acadêmicas definidas, a ser firmado entre reitoria e Sectec, a quem a UEG está jurisdicionada e entre diretores de unidades e reitoria;
6.      Definição da política de pessoal, de investimentos e de manutenção sob responsabilidade de seus Conselhos.

·         Ação 4: Autonomia Acadêmica
1.      Efetivação de um corpo docente e administrativo qualificado que possa assumir a gestão da universidade;
2.      Enfrentamento do problema da eternização dos temporários na UEG;
3.      Implantação de uma política de concursos públicos, imediata e contínua até atingir, em 2014, a meta de um quadro docente com 70% de professores efetivos, distribuídos equitativamente entre as unidades;
4.      Definição de metas para uma política de qualificação do professor e condições para publicação e veiculação de seus trabalhos, assim como a participação em congressos nacionais e internacionais;
5.      Adoção imediata de critérios bem definidos e baseados em mérito acadêmico para balizarem as avaliações de estágio probatório, avaliação institucional, acesso a benefícios de planos de carreira, concessão e manutenção do regime de dedicação exclusiva (DE), incentivos e bolsas de produção acadêmica;
6.      Adoção imediata de critérios nos planos de carreira, de forma a privilegiar a competência e os resultados da avaliação;
7.      Definição de políticas para fixação do docente no município em que situa a unidade de sua lotação;
8.      Adotar a Dedicação Exclusiva (DE) como regime de trabalho, vinculando-a ao cumprimento da carga horária total na unidade e ampliando-a até atingir em 2013, pelo menos 50% dos professores efetivos;
9.      Condicionamento da transferência docente para unidade diferente daquela para a qual foi concursado à garantia de existência de professores efetivos e igualmente titulados na unidade de origem, para assegurar a continuidade dos projetos em execução;
10.  Definição e cumprimento das normas para contratação, permanência e desligamento dos temporários (docentes e servidores técnico-administrativos);
11.  Definição imediata da situação de servidores técnico-administrativos e professores que são efetivos nos quadros do serviço público estadual, mas que não pertencem ao quadro próprio da universidade;
12.  Implantação de uma política de concursos públicos, imediata e contínua até atingir, em 2014, a meta 70% de servidores técnico-administrativos efetivos, distribuídos equitativamente entre as unidades;
13.  Revisão da política de extensão da universidade, privilegiando sua articulação com as ações de ensino e pesquisa, garantindo a necessária inserção social da instituição, tornando-a instrumento de análise pedagógica e científica;
14.  Reavaliação de contratos e convênios em vigor que, a despeito de seu valor social, apresentam problemas e dificuldades para o exercício cotidiano da academia e mascaram, em processos avaliatórios, a real dimensão de seu quadro docente e de sua produção;
7.      Implantação de uma política de apoio estudantil, assentada em concessão de bolsas que incentivem a inserção do aluno em seu curso, seja pela pesquisa, pela extensão ou pelo estágio;
8.      Fortalecimento de programas de incubadoras, escritórios modelos e empresas júniors;
9.      Implantação de restaurantes universitários em alguns municípios com centros universitários estruturados, como forma de garantir aos estudantes condições de permanência nas unidades universitárias.
·         Meta 2. Reestruturação Acadêmica
·         Ação 1: Criação de centros universitários regionais (2012 a 2017)
1.       Fortalecimento das unidades estratégicas para o desenvolvimento do estado e da universidade;
2.       Implantação de bibliotecas e laboratórios compatíveis com os cursos e pesquisas;
3.       Priorização da estruturação dos centros, que devem dispor de infraestrutura material e humana (corpo docente e técnico-administrativo efetivo e qualificado), frente à expansão de novas unidades.
·         Ação 2: Criação de centros de pesquisa e inovação nas áreas estratégicas (2012 a 2017)
1.       Assegurar a presença significativa da UEG na produção científica do estado e do país;
2.       Possibilitar parcerias com o Setor Produtivo em inovações tecnológicas;
3.       Garantir condições para publicação e veiculação da produção científica, tecnológica e de inovação.
·         Ação 3: Criação de polos de educação a distância e ou presencial mediada por tecnologia (a partir de 2011)
1.       Vinculação da Unead à Pró-Reitoria de Graduação expandindo-a, como instrumento de trabalho, a todos os cursos, eliminando sua condição de unidade;
2.       Capacitação dos docentes para atuação nessa modalidade de ensino e a consolidação de competência técnica e de condições materiais e de equipamentos para sua realização.
·         Ação 4: Criação dos Institutos de Educação Superior Tecnológica (2012 a 2017)
1.       Consolidação dos cursos superiores tecnológicos, com investimentos em laboratórios, bibliotecas e professores;
2.       Ampliação das possibilidades de ofertas de cursos tecnológicos nas diferentes áreas de desenvolvimento estratégico do estado de Goiás.
Considerações Finais
O relatório de reestruturação da UEG cumpre o papel de provocar o debate que, se espera, seja amplo e acadêmico, e que, dessas discussões, a UEG saia fortalecida como universidade de excelência, comprometida com a produção do conhecimento, com a formação de quadros profissionais e de pesquisadores e com o desenvolvimento do estado de Goiás.
As sugestões e conclusões apresentadas sustentam-se nas diretrizes e metas dos Planos de Educação, nacional e estadual, e no Plano Diretor do Ensino Superior elaborado pela Sectec. Elas representam um esforço de análise possível, realizada conjunturalmente e amplamente debatida no interior da comissão, ouvidos os diversos segmentos apresentados na introdução, e tendo por base números e fatos da UEG.

Fonte: http://www.sectec.go.gov.br/portal/?p=15584

Nenhum comentário: