1 de ago de 2012

Bater para educar os filhos: você concorda com isso?


Bater ou não nos filhos quando eles se comportam mal? Para a maioria dos brasileiros, a palmada é uma medida educativa e eficaz, não reconhecida por quem a aplica como um ato de violência, mas diversos estudos mostram exatamente o contrário.
Sede do Laprev
Professora Lucia Williams na sede do Laboratório de Análise e Prevenção da Violência da Universidade Federal de São Carlos - Laprev/UFSCar (foto: Cida Alves).

Entrevista com Lucia Williams e Paolla Santini

Chinelo, cinta, empurrão, tapas, beliscões, puxões de orelha. Quando tudo parece falhar, pais utilizam a punição física em resposta a um comportamento inadequado das crianças. “Este tipo de violência é tão antiga que se confunde com a própria história da humanidade”assinalam as pesquisadoras Paolla Santini e Lucia Williams, do Laboratório de Análise e Prevenção da Violência da Universidade Federal de São Carlos (Laprev/UFSCar).

Paolla e Lucia são autoras de diversas pesquisas sobre o tema e, recentemente, colaboraram com um artigo (Castigo corporal contra crianças: o que podemos fazer para mudar essa realidade?) para o livro digital “Comportamento em Foco”,organizado pela Associação Brasileira de Psicologia e Medicina Comportamental. Nele, além de uma série de dados – resultados de pesquisas feitas tanto pelas autoras como por outros pesquisadores – elas desmitificam argumentos comumente utilizados para justificar o castigo corporal.

Porque não bater

Segundo as autoras, os pais utilizam o castigo físico como uma forma de controlar o comportamento de seus filhos – geralmente alimentado por uma expectativa irreal que os pais criam. “Quando o comportamento alvo inicialmente cessa, o comportamento coercivo dos pais é reforçado”, confirmam. Mas uma ampla pesquisa realizada em 2001 no Brasil com 894 crianças mostrou que os sentimentos que as crianças relataram não foram de respeito, mas dor, raiva, medo e revolta em relação aos pais, que deveriam ser modelos de apoio, carinho e segurança.

Mau gênio, temperamento difícil e respostas emocionais como choro, medo ansiedade e raiva, são alguns dos mecanismos que a criança que apanha pode desenvolver com o objetivo de desestabilizar o adulto.
“Bater ensina a criança a se comportar pelo medo de ser punida e não em busca de consequências positivas. A criança aprende que o modelo agressivo é aceitável para resolver problemas”, diz Paolla.

Um estudo realizado em 1998 com 17 mil participantes é o mais amplo encontrado na literatura sobre o tema da vitimização por violência na infância e os efeitos na saúde, conhecido como ACE Study (Adverse Childhood Experiences Study). A pesquisa buscou analisar a relação entre múltiplas categorias de traumas infantis e suas consequências para a saúde e comportamento na vida adulta.

Os resultados dessa pesquisa mostraram que aqueles que relataram ter vivenciado quatro ou mais categorias de exposição à violência – entre elas abuso psicológico, físico ou sexual; violência contra a mãe pelo parceiro; viver com pessoas que faziam uso abusivo de substâncias -, em comparação àqueles que não enfrentaram qualquer tipo de adversidade, apresentaram de quatro a 12 vezes mais riscos de saúde relacionados ao abuso de álcool ou drogas, depressão e tentativas de suicídio; eram duas ou quatro vezes mais propensos ao tabagismo; e 1.4 a 1.6 em mais riscos de inatividade física e obesidade mórbida.

“Muitos dizem: ‘eu apanhei quando criança e sou uma pessoa bem sucedida e feliz. Apanhar foi importante para isso’. Mas, assim como pessoas sabem que o cigarro faz mal e continuam fumando, também sabem que a violência é inaceitável e continuam praticando-a. Há pessoas que fumam e vivem até os cem anos, mas isso não refuta os dados de que fumar leva à morte precocemente. As exceções são interessantes, mas não alteram os dados baseados em pesquisas científicas. Portanto, provocar dor ou medo não é a melhor opção.”

Outro argumento é dizer que hoje as crianças são mais difíceis do que em outras épocas. “Estamos vivendo uma mudança cultural, na qual os pais precisam estar mais tempo fora de casa e muitas vezes têm dificuldades no processo educativo de seus filhos. Assim, as crianças e adolescentes passam muito tempo sozinhas, na frente da televisão, do computador, do vídeo game, com pessoas que não são da família, que não se sentem responsáveis por seu processo educativo ou que não sabem como fazê-lo”, explicam as autoras. Para corrigir isso, elas indicam que os pais reservem momentos diários para participação, diálogo e afeto. “Limites e disciplina não são sinônimos de palmadas, tapas e beliscões. É possível estabelecê-lo sem utilizar estes recursos.”

“Lei da Palmada” não tira a autoridade dos pais

Um tema que tem provocado debate na mídia, o projeto de lei 7672/2010 conhecido como “Lei da Palmada” estabelece “o direito da criança e do adolescente a não serem submetidos a qualquer forma de punição corporal, mediante a adoção de castigos moderados ou imoderados, sob alegação de quaisquer propósitos, ainda que pedagógicos”.

Caso a lei seja aprovada, os pais que a descumprirem poderão ser punidos de acordo com sansões previstas no Artigo 129, incisos I, III, IV e VI do Estatuto da Criança e do Adolescente. Ou seja, os pais poderão ser encaminhados ao programa oficial ou comunitário de proteção à família, a cursos ou programas de orientação e obrigados a encaminhar a criança ou adolescente para tratamento especializado.
“A lei não tem como objetivo condenar ou perseguir os pais ou responsáveis. Ela visa melhorar a qualidade das estruturas de apoio e atenção aos pais, para que possam educar seus filhos de forma não violenta, bem como estimular políticas públicas como programas de treinamento para pais de orientação sobre práticas educativas positivas”, explicam as pesquisadoras.

Mas parece que ainda há dúvida entre a população. Uma pesquisa de âmbito nacional sobre este assunto, realizada pelo Instituto de Pesquisas Datafolha, concluiu que 54% das pessoas ouvidas são contrárias à aprovação do projeto; 36% são a favor; 6% indiferentes e 4% não souberam opinar. A pesquisa foi realizada no mês de julho de 2010, com mais de 10, 9 mil brasileiros com 16 anos ou mais.

Além da opinião sobre o projeto de lei, também foi perguntado aos entrevistados se eles já tinham agredido fisicamente seus filhos. Mais da metade, 58%, confirmaram. Outro dado mostra que 72% daqueles que responderam a pesquisa afirmaram ter apanhado dos pais quando crianças.

“Sendo assim, os entrevistados sofreram violência física por parte de seus pais e utilizam a prática contra seus filhos, apontando a manutenção do ciclo de violência entre as gerações”, concluem.

Educação Positiva dos seus filhos[5]
Educação positivaalternativas adequadas para disciplinar as crianças
Entre os trabalhos desenvolvidos pelo Laprev está o projeto Parceria, um programa de intervenção a mães vítimas de violência doméstica pelo parceiro. Um dos objetivos é prevenir problemas relacionados ao comportamento em seus filhos, utilizando dois módulos: psicoterapêutico e educacional. Para isso, elas desenvolveram uma Cartilha chama “Educação positiva dos seus filhos”, onde esclarecem dúvidas e ensinam técnicas para que estar mulheres eduquem seus filhos sem violência.
A Cartilha também traz alguns dos princípios considerados adequados para se educar as crianças, como:
  • Disciplina consistente – aquela que não é baseada no humor do responsável, mas nas regras combinas previamente com as crianças;
  • Limites – não baste dizer o que pode e o que não pode, é precisa explicar as razões das regras estabelecidas;
  • Regras firmas, mas flexíveis – por exemplo, o combinado era ficar estudando em casa, mas se chove há uma semana e naquele dia fez sol, a criança precisa passar algum tempo ao ar livre depois de tantos dias em casa. Neste caso, é importante explicar à ela porque aquilo esta sendo feito;
  • Supervisão adequada – que é o contrário de excesso de supervisão e controle;
  • Disciplina não coerciva – sem violência;
  • Interação verbal positiva, extensa e frequente;
  • Muito afeto;
  • Elogiar comportamento adequados – na maioria das vezes os responsáveis ficam atentos ao que a criança faz de errado e os comportamento adequados dificilmente são notados;
  • Ignorar comportamentos inadequados – quando for possível, porque, por exemplo, se a criança se comporta de maneira inadequada diante de algum outro adulto ou colegas é importante não ignorar e investigar o que pode ter acontecido;
  • Quando criticar comportamentos inadequados, fazê-lo em direção ao comportamento e não à criança;
  • Elaborar estratégias criativas e pacíficas (com base no diálogo);
  • Não fazer ameaças – a criança aprenderá a se comportar por medo de que algo ruim pode acontecer e não porque aquela tarefa é importante;
  • Reconhecer e validar esforços dos filhos para melhorar;
  • Demonstrar empatia – algumas situações podem ser difíceis para as crianças, como aprender a dormir sozinha na sua cama. Os pais não podem ceder, mas devem entender sua dificuldade e apoiá-las no processo de mudança;
  • Uso de modelos apropriados – a criança não seguirá regras impostas a elas, sendo que os pais não as cumprem; e
  • Minimização de brigas na frente dos filhos.

Fonte: Reportagem de Marina Teles Band.com em 18/07/2012 | TAGS:EDUCAÇÃO POSITIVAPALMADA. IN: Blog Educar sem Violência. Cida Alves. 2012.

Nenhum comentário: