22 de dez de 2012


A POSSÍVEL RELEITURA POÉTICA DO MUNDO

“Começamos a ler o mundo muito cedo. Ainda no útero materno, já nos chegam os primeiros sinais do mundo, não gráficos, mas táteis e sonoros. Depois, já adulto de adultos, contamos oralmente, escrevemos, pintamos, fazemos músicas e outras artes com os elementos lidos da infância”. (Elias José)

Acredito que, todos nós somos capazes de fazer nossa releitura de infância - releitura poética do mundo, visto que somos estimulados desde o útero da mãe.  Vários autores dão exemplo de releitura de infância: Paulo Freire (p. 36); Carlos de Andrade (p. 36-37); Adélia Prato (p. 38); Ruth Rocha (paródia, p. 40); Elias José (p. 40-41). Deixo aqui minha releitura de infância – releitura poética de mundo.

A Infância

Oh! Que saudade tenho da minha infância
Da minha a infância querida,
Que não tinham preocupação alguma
Tempo que os anos não trazem mais!
Agora a vida é deveres e compromissos
Oh! Que Saudade das brincadeiras,
Das histórias contadas pelo avô.
Saudades do contato com a terra
E da sombra das mangueiras
Oh! Infância querida
Porque passou tão rápido?
Tão rápido,
 Que nem vi acabar.
(Relatos de infância – Jorge Sousa)



Leitura de mundo

Olhar as coisas e ler:
O avesso
O fundo
Em cima
Em baixo
Olhar a natureza e ver:
A cor
O cheiro
O som
O tom
Olhar os amigo e ver:
A esperança
O carinho
O afeto
Olhar no espelho e ler:
O tempo
A infância
A adolescência
A velhice          
                         (Jorge Sousa)          
 




















Nenhum comentário: