9 de dez de 2012

Diretora de escola em SP é indiciada por maus tratos a crianças


Nenhuma pessoa – seja ela pai, mãe, educador ou cuidador, tem o direito de usar de violências físicas e humilhações na educação e no cuidado de crianças e adolescentes!

Para Max Van Manen (2010), uma autoridade é sempre moralmente sensível às vulnerabilidades e as reais necessidades de uma criança. A partir desta visão foram as duas professoras que se indignaram com os abusos cometidos pela diretora as verdadeiras autoridades pedagógicas da Escolinha Trenzinho Feliz.

“Ter autoridade é estar em uma posição de influência. É esta precisamente a relação que se estabelece entre um pai, um professor, uma criança e um jovem. Mas o adulto só pode ter influência pedagógica sobre uma criança ou um jovem quando a autoridade se baseia não no poder, senão no amor, no afeto e na autorização internalizada por parte da criança. A autoridade pedagógica é a responsabilidade que a criança concede ao adulto, tanto no sentido ontológico (do ponto de vista do pedagogo) como no sentido pessoal (do ponto de vista da criança). Podemos dizer que a criança, de alguma maneira, autoriza ao adulto direta ou indiretamente a ser moralmente sensível aos valores que asseguram seu bem estar e seu desenvolvimento rumo à autorresponsabilidade madura.

(...) Por exemplo, um adulto que vê a uma criança necessitada, que observa uma situação de abuso infantil, ou que responde aos interesses e as perguntas da criança, pode, em realidade, sentir-se motivado a fazer algo, a ajudar ou assistir à criança. Nesse sentido podemos dizer que o adulto é induzido a atuar com um sentido de responsabilidade que provêm da experiência da autoridade. E então, ocorre uma coisa interessante: o adulto, que é sensível à vulnerabilidade ou a necessidade da criança, experimenta uma estranha sensação: a verdadeira autoridade nesse encontro está na criança e não no adulto (MANEN, 2010, p 83 e 84)”.

REFERÊNCIA:

MANEN, Van Manen. El tacto en la enseñanza. El significado de la sensibilidad pedagógica. 3º Edição. Editora: Paidós Educador. Barcelona, 2010.

Fonte: Blog Educar sem Violência. Cida Alves. 2012.

Nenhum comentário: